Sábado, 19 Agosto 2017 | Login
José Lourenço, Marcos e Eduardo Iwasse em reunião na sede da COAPIL. (Foto: Portal Pba) José Lourenço, Marcos e Eduardo Iwasse em reunião na sede da COAPIL. (Foto: Portal Pba)

Falta de chuva: Entidades de Piracanjuba pedem decreto de situação de emergência Destaque

José Gomes Neto. Prejuízo chegou a 100%. (Foto: Portal Pba) José Gomes Neto. "Prejuízo chegou a 100%."
(Foto: Portal Pba)

O presidente do Sindicato Rural de Piracanjuba, Eduardo Iwasse, se reuniu, na tarde desta sexta-feira (29), com lideranças do meio rural, como a Cooperativa Agropecuária Mista de Piracanjuba (COAPIL) e Cooperativa dos Irrigantes de Piracanjuba (CIP), para apontar os danos causados pela falta de chuva que afeta o município, há pelo menos 50 dias.

De acordo com levantamento feito pelo Sindicato, o prejuízo para os produtores rurais chega a 30 milhões de reais em culturas com o milho safrinha. “Este é um valor que deixará de ser usado no município, gerando um enorme desastre em cadeia, principalmente na atividade leiteira que é a principal na região e que depende diretamente do milho para fabricação de ração. Sem contar o comércio local que será afetado, além do desemprego em massa”, destacou.

Os presidentes da COAPIL e CIP, José Lourenço de Castro Filho e Marcos Vinicius Costa e Silva Júnior respectivamente, assinaram o pedido que solicita situação de Emergência para o município de Piracanjuba. O pedido tem o objetivo de beneficiar e proteger os produtores rurais que tiveram produtividade muito abaixo da esperada para a safrinha de 2016. Assim os produtores poderão renegociar suas dívidas junto aos credores.

Para José Lourenço, o prejuízo afeta não só os produtores rurais. “O problema não é somente do meio rural. Este prejuízo afetará de forma sistemática, todo o município. Pois é uma receita que deixará de ser usada em Piracanjuba”, ponderou.

 

Délio Afonso Teles. Falta de chuva prejudicou lavoura.(Foto: Portal Pba) Délio Afonso Teles. "Falta de chuva prejudicou lavoura."
(Foto: Portal Pba)

O produtor rural Délio Afonso Teles, plantou em 2016 cerca de 1 mil hectares. “Pra mim a situação é alarmante. Ainda não terminei de contabilizar o prejuízo, mas estimo que já esteja em pelo menos 50% de perda”, frisou. A falta de chuva também atingiu a lavoura do produtor José Gomes Neto. Segundo ele, o prejuízo este ano chegou a 100%.

Decreto

Após se reunirem na sede da COAPIL, para assinatura do termo protocolar que solicita estado de emergência para Piracanjuba. O documento foi entregue ao prefeito Amauri Ribeiro. Amauri se prontificou a verificar junto ao jurídico da Prefeitura, a melhor forma para que o decreto seja homologado.

Faeg

Preocupada com o impacto da falta de chuva em algumas regiões que apostam no milho safrinha, a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) se reuniu nesta quinta-feira (28), por meio de sua Comissão de Grãos e Oleaginosas, com produtores dos quatro cantos do estado e realizou um levantamento prévio do percentual de perda da produção em cada uma das regiões. Na média, através dos pareceres dos sindicatos rurais foram de 40% da expectativa inicial.

Para o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, a preocupação da Federação é com a capacidade de cumprimento dos compromissos assumidos no custeio da safra. “Nosso maior objetivo é discutir os efeitos negativos gerados por esses problemas e buscar medidas emergenciais para que mais produtores não sejam tão afetados”, destaca.

Situação preocupa lideranças do meio rural. (Foto: Portal Pba)

Lideranças se reúnem com prefeito Amauri Ribeiro. (Foto: Portal Pba)



Ler 9927 vezes

Autor

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.